Profissionais da saúde debatem violência sexual contra a mulher

Lideranças da saúde e profissionais da área se reuniram na manhã desta quinta-feira (8/3), Dia Internacional da Mulher, no auditório do Sesc da Esquina, para o evento Todos por Elas – Viver sem Violência no Paraná, promovido pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), Conselho Municipal de Saúde e Conselho Estadual de Saúde, em alusão ao Março Lilás.

Na cerimônia de abertura, a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, ressaltou a importância das mulheres na área. “As mulheres são 80% da nossa força de trabalho na saúde”, disse.

Violência sexual

Os convidados discutiram e dividiram experiências sobre o assunto. Um dos destaques foi a mudança no fluxo de atendimento das vítimas de violência sexual, que colocou o Paraná e Curitiba na vanguarda no enfrentamento à violência contra a mulher.

Antes, as vítimas recorriam à delegacia para realizar boletim de ocorrência, em seguida eram encaminhadas ao Instituto Médico Legal (IML) para a perícia e só depois disso recebiam atendimento em saúde.

Agora, a vítima deve buscar diretamente o serviço de saúde para atendimento, garantindo, assim, a profilaxia contra doenças sexualmente transmissíveis e contracepção de emergência. Pelo novo fluxo, o IML vai até o hospital para realizar a perícia. Só depois disso é que se faz boletim de ocorrência.

Em Curitiba, os serviços de referência para atendimento de violência sexual são: Hospital Pequeno Príncipe (no caso de crianças até 12 anos), Hospital de Clínicas (atende vítimas homens e mulheres maiores de 12 anos) e Hospital Universitário Evangélico (atende apenas vítimas mulheres maiores de 12 anos). A recomendação é procurar o atendimento em saúde imediatamente após a violência, até 72 horas.

Os palestrantes também reforçaram a importância dos telefones de denúncia, como o Disque 100, 181 e 156. “É preciso que as mulheres saibam onde buscar seus direitos”, disse Simone da Rede de Proteção às Pessoas em Situação de Violência da SMS.

Presenças

Também participaram da mesa de abertura o defensor público do Estado Eduardo Abrão; o superintendente de Atenção à Saúde da Sesa, Juliano Gevaerd; a superintendente do Complexo do Hospital de Clínicas, Claudete Regianni; a presidente da Associação Brasileira de Enfermagem, Rosa Maria Fonseca; e a presidente do Conselho Regional de Enfermagem, Simone Peruzzo.

Da mesa de debates participaram, além de Simone Cortiano, a chefe do departamento de Promoção à Saúde da Sesa, Maria Cristina Ferreira; o gerente de Ensino e Pesquisa do Complexo Hospital de Clínicas, Rosires Andrade; o ginecologista e obstetra do Hospital Universitário Evangélico, Marcelo Guimarães; a coordenadora das Delegacias da Mulher do Estado do Paraná, Márcia Marcondes, o médico ginecologista e legista do IML, José Antônio Leprevost Neto; e as representantes da Casa da Mulher Brasileira, Denise Godoy e Adriana Bezerra.