Biologia do Aedes Aegypti

Chegou o momento de conhecer um pouco mais sobre o mosquito Aedes aegypti, transmissor da Dengue e da Febre Amarela Urbana. O mosquito Aedes aegypti se tornou cosmopolita por ser disseminado de forma passiva pelo homem por embarcações, trens, automóveis, aviões, caminhões, entre outros. Seus locais preferenciais são aqueles onde há maior concentração humana. O mosquito Aedes aegypti, espécie tropical originária da África, pertence ao Filo Arthropoda, Classe Insecta, Ordem Diptera, Família Culicidae e Gênero Aedes. No Brasil, México e Colômbia é encontrado também em zonas rurais.

Apesar da literatura normalmente citar que o Aedes aegypti adapta-se a locais com diversas variações de temperatura e altitude, na Colômbia esta espécie foi encontrada a 2.200 m de altitude (Fundação Nacional de Saúde, 1.994). Em Curitiba, situada a 945 m, as informações obtidas pelo PEAa (1.999 e 2.000), constataram a presença desta espécie nos meses de abril e maio, com temperaturas próximas a 0ºC. SILVA & LOZOVEI (1.996) observaram elevado número de Culicideos imaturos na cidade de Curitiba durante o outono. Conforme os dados conferidos para a cidade, provavelmente, estas espécies estejam se adequando a temperaturas mais baixas que as encontradas nas zonas isotermais, com temperatura média de 20ºC.

A escolha por um determinado tipo de criadouro para postura dos ovos varia de acordo com a espécie e o local onde se encontram. Algumas pesquisas comprovaram que espécies de Culicideos utilizavam como criadouros naturais, ocos de árvores e nas regiões urbanas, preferencialmente os pneus. A adaptação aos criadouros artificiais está sendo favorecida pela sua temperatura interior, presença de água limpa e entrada de nutrientes (SILVA; LOZOVEI, 1.999). As pesquisas em domicílios e estabelecimentos comerciais de Curitiba, realizadas pelos agentes do Programa de Erradicação do Aedes aegypti - PEAa, confirmam que a grande maioria dos reservatórios, nos quais há presença de larvas do Aedes aegypti, são pneus locados geralmente em Pontos Estratégicos (depósitos de materiais de construção, transportadoras, borracharias, empresas de desmanche, ferro-velho entre outros).

A fase de reprodução e dispersão se dá quando o mosquito é adulto. Durante o vôo nupcial, o adulto alado, fêmea e macho acasalam uma única vez. Uma única inseminação é suficiente para fecundar todos os ovos que a fêmea venha a produzir. Apesar de ter um alcance de vôo de 300 metros, permanecendo próximo ao local onde nasceu, uma fêmea grávida pode voar até 3 Km em busca de local adequado para a postura dos ovos. A fêmea coloca seus ovos (50 a 150), próximo da superfície (lâmina de água) e nas bordas internas de diferentes recipientes. O macho e a fêmea alimentam-se da seiva das plantas (fitófagos), mas a fêmea precisa da proteína do sangue para amadurecer seus ovos. A fêmea coloca os ovos no final da tarde, em condições de temperatura satisfatória e em recipientes escuros ou sombreados, com superfície áspera, preferindo água limpa e cristalina.