Missão, Visão e Valores do SUS Curitiba

             

         MISSÃO

Formular e desenvolver a política municipal de saúde e a integração regional das redes de atenção, com participação da sociedade, promovendo cuidado eficiente, efetivo, afetivo, oportuno, com equidade para a população.

VISÃO

Ser, até 2032, uma cidade com população saudável e feliz onde o SUS seja reconhecido por sua excelência, tornando-se uma referência nacional e internacional.

VALORES

Ética: entendida como um conjunto de valores morais e princípios, que deve orientar a instituição na sua atuação, para criar um ambiente social e político justo, solidário e pacífico.

Respeitoentendido como um valor institucional que permite que se possa reconhecer, aceitar, apreciar e valorizar as qualidades do próximo e os seus direitos. Portanto, pressupõe um comportamento institucional disponível e receptivo, para expressar e ouvir o contraditório, para conviver e relacionar-se com as diferenças mais variadas e com as preferências da maioria e das minorias.

Transparênciaentendida como tornar de domínio público os atos do governo, dar pleno conhecimento ao cidadão das políticas públicas; é cultivar a noção de interdependência e de que a história de uma organização se constrói junto com todos, em um modelo no qual a confiança é protagonista.

Eficiênciaentendida como a capacidade instititucional e dos profissionais de fazer as coisas no tempo devido sem erros e utilizar somente os recursos necessários.

Compromissoentendido como a capacidade da instituição de sustentar uma escolha, em razão da sua missão e visão; e o comprometimento com os resultados desejados para a sociedade.

Curso de Especialização de Gestão na APS

Curso de Especialização em Gestão do Sistema Único de Saúde: Atenção Primária à Saúde

Qualificando a Gestão do SUS Curitiba

 

  1. 1.OBJETIVO GERAL

Formar profissionais de saúde de nível superior que estejam exercendo funções de Autoridade Sanitária Local nos Postos de Saúde na SMS Curitiba, qualificando-os ao desempenho das suas funções gestoras, objetivando a implantação do Modelo de Atenção às Condições Crônicas (MACC) no município (MENDES, 2011) e melhorando a efetividade da atenção à saúde no SUS Curitiba.

  1. 2.OBJETIVO ESPECÍFICO

1. Desenvolver competências para atuarem como Autoridade Sanitária Local no SUS Curitiba, promovendo a fundamentação de práticas gestoras e em saúde pautadas nos princípios e valores do SUS;

2. Desenvolver competências para atuarem como agentes de transformação do modelo de atenção à saúde vigente, assumindo o seu protagonismo das mudanças de práticas frente as equipes de saúde.

3. Desenvolver capacidades para:

3.1. Compreender as particularidade dos Modelos de Atenção à Condição Aguda e Condição Crônica, com vistas a implantação do Modelos de Atenção Condição Crônica (MACC) em Curitiba.

3.2. Promover adequada territorialização, reconhecendo as particularidades dos diferentes territórios-saúde e desenvolvendo mapeamento e ações estratégicas à qualificação da atenção à saúde nesses territórios.

3.3. Implantar as Redes de Atenção à Saúde (RAS), com ênfase na RAS Materno-infantil e RAS Mental.

3.4. Realizar o Planejamento, Monitoramento e Avaliação da Atenção à Saúde nos diferentes territórios-saúde.

3.5. Ampliar o repertório teórico que ampliem seu escopo de práticas de cuidado, incluindo o desenvolvimento de ações de promoção da saúde, prevenção de agravos, recuperação e manutenção da saúde dos curitibanos.

3.6. Realizar a Gestão do Cuidado, a revisão de fluxos assistenciais, a Gestão de Caso, e o trabalho multiprofissional em saúde (NASF).

3.7. Aprimorar a Gestão de Pessoas, desenvolvendo habilidades de comunicação e administração de conflitos.

3.8. Aprimorar a Gestão de Insumos e Medicamentos, com vistas ao uso adequado dos recursos da máquina pública.

  1. 3.POPULAÇÃO BENEFICIÁRIA

O Projeto beneficiará diretamente aos servidores em exercício das funções gestoras nos Postos de Saúde da SMS Curitiba e indiretamente a todos os usuários do SUS Curitiba, que se beneficiarão das práticas de gestão qualificadas e das mudanças do modelo de atenção à saúde.

  1. 4.APRESENTAÇÕES DOS SEMINÁRIOS

Seminário 1 - Os modelos de atenção às condições crônicas. Eugênio Vilaça Mendes

 

  1. 5.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

DISCIPLINA 1. Modelo de Atenção à Condição Aguda e Modelo de Atenção à Condição Crônica.

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. A Atenção Primária e as Redes de Atenção à Saúde / Conselho Nacional de Secretários de Saúde. – Brasília: CONASS, 2015. 127p. Disponível em: http://www.conass.org.br/biblioteca/pdf/A-Atencao-Primaria-e-as-Redes-de-Atencao-a-Saude.pdf

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. CONASS Debate, 2 – Caminhos da Saúde no Brasil. 100 p. Brasília: CONASS, 2014. Disponível em: http://www.conass.org.br/biblioteca/pdf/CONASS%20Debate%20N2.pdf

MACEDO, RG. Curitiba Luz dos Pinhais. Solar do Rosário Arte e Cultura. 562p. Curitiba, 2016. Disponível em: https://www.dropbox.com/s/t4h1rr9csbuhzrs/CuritibaLuzdosPinhais_digital_01.pdf?dl=0

MENDES, EV. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011. 549 p. Disponível em: http://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&;view=download&category_slug=servicos-saude-095&alias=1402-as-redes-atencao-a-saude-2a-edicao-2&Itemid=965

MENDES, EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. / Eugênio Vilaça Mendes. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2012. 512 p.. Organização Pan-Americana da Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cuidado_condicoes_atencao_primaria_saude.pdf

MOYSÉS ST, SILVEIRA FILHO AD, MOYSÉS SJ. Organização Pan-Americana da Saúde e Conselho Nacional de Secretários de Saúde. A implantação do modelo de atenção as condições crônicas em Curitiba: resultados do laboratório de inovação sobre atenção às condições crônicas na atenção primária em saúde. Organização Pan-Americana da Saúde, Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: 2013. 390 p.: Il (NavegadorSUS. Série técnica para os gestores do SUS sobre redes integradas de atenção à saúde baseadas na APS, nº 8). Disponível em: http://apsredes.org/pdf/Modelo_Atencao_Curitiba.pdf

OUVERNEY AM, NORONHA JC. Modelos de organização e gestão da atenção à saúde: redes locais, regionais e nacionais. In FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. A saúde no Brasil em 2030 - prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro: organização e gestão do sistema de saúde [online]. Rio de Janeiro: Fiocruz/Ipea/Ministério da Saúde / Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, 2013. Vol. 3. pp. 143-182. Disponível em: http://books.scielo.org/id/98kjw/pdf/noronha-9788581100173-06.pdf

 

Greca sanciona lei e Outubro Rosa agora está no calendário oficial da cidade

2010 sanciona outubro rosaGreca sanciona lei e Outubro Rosa agora está no calendário oficial da cidade

O prefeito Rafael Greca sancionou na tarde desta quinta-feira (19/10) a lei número 1582/2017, que institui no calendário oficial do Município o Outubro Rosa, mês dedicado à prevenção contra o câncer de mama.

O documento também foi assinado pelo vice-prefeito e secretário de Obras e Infraestrutura, Eduardo Pimentel, pelo vereador propositor da lei, Dr. Wolmir Aguiar, pelo presidente da Câmara Municipal, vereador Serginho do Posto e pela secretária da Saúde, Márcia Huçulak.

População combate o sedentarismo com atividade física na unidade de saúde

2010 atividade fisica unidade de saudeA massagista Mari Campos, 61 anos, estranhou quando ouviu a música agitada ao lado da sala de espera da Unidade de Saúde Barigui. Depois do atendimento médico, foi procurar a origem do som e descobriu que o Espaço Saúde do posto estava transformado em uma aula de ginástica. “Fiquei surpresa. Como assim, exercício do lado da sala do médico? E de graça? Já pedi para participar naquele dia e não parei mais. Gosto mais do que a aula da academia e trouxe duas amigas”, conta Mari.

Processo de seleção