Saúde Mental

A Política de Saúde Mental é estruturada por meio da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), que conta com diversos pontos de atenção para acolhimento e tratamento de pessoas com transtornos mentais e usuárias de álcool e/ou  drogas.

A Política Nacional de Saúde Mental busca consolidar um modelo de atenção aberto e de base comunitária. A proposta é garantir a livre circulação das pessoas com problemas mentais pelos serviços, pela comunidade e pela cidade.

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE CURITIBA

  • Atenção Primária

As ações de saúde mental na atenção básica devem obedecer ao modelo de redes de cuidado, de base territorial em conjunto com outras políticas de saúde e intersetoriais.

  • Centro de Atenção Psicossocial (CAPS)

São serviços de saúde mental do SUS, abertos e comunitários, com base territorial, trabalho interdisciplinar e fortemente articulados com toda a rede de saúde.
Os CAPS se constituem como lugar de referência e tratamento para pessoas com grave sofrimento psíquico, cuja severidade e/ou persistência demandem um cuidado intensivo, incluindo os transtornos relacionados a álcool e drogas e também aos adultos, crianças e adolescentes com sofrimento mental.

Os CAPS não são unidades de emergência, porém devem acolher todas as situações de crise dos usuários em atendimento no serviço e podem ser acessados diretamente, sem necessitar de encaminhamento das Unidades de Saúde.

  • Hospital Psiquiátrico

Serviços de cuidado integral, que atendem pessoas com transtornos mentais graves, decorrentes ou não do uso de substâncias psicoativas, que apresentam riscos para si ou terceiros, impossibilitando sua permanência em outro ponto de atenção. As vagas são liberadas pela Central de Retaguarda em Saúde Mental, após avaliação médica realizada em serviços da rede decsaúde (Unidades de Saúde, Consultório na Rua, Ambulatório de Saúde Mental,CAPS ou UPAs).

  • Unidades de Pronto Atendimento (UPA) – Serviços abertos de atendimento a Urgência e Emergência Psiquiátrica.

Quando for detectada situação de transtorno mental em fase aguda (alucinação, delírio, agressividade, agitação, intoxicação, tentativa de suicídio), ou intercorrência clínica (delirium tremens, por exemplo), o atendimento poderá ser feito na UPA mais próxima da residência do paciente, como alternativa ao atendimento dos CAPS. Caso o paciente não consiga ser deslocado à UPA, poderá ser acionado o SAMU, pelo fone 192.

  • Ambulatórios de Saúde Mental – Serviços que ofertam atendimentos de psicologia e psiquiatria.

Nas situações de sofrimento psíquico, em que haja necessidade de avaliação e acompanhamento especializado, este se dará através das ofertas de consultas ambulatoriais realizadas por psicólogos e psiquiatras.

            Segue abaixo a Linha Guia de Saúde Mental, documento norteador para os serviços que integram a Rede de Atenção Psicossocial - RAPS de Curitiba.
           Contempla as diretrizes clínicas para Atenção em Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde.